terça-feira, 23 de dezembro de 2008

hey guys! it's christmas time!

definitivamente, eu não sou um apreciador do clima natalino. também pudera, já que não sou cristão e nem mesmo adepto do capitalismo desenfreado (algumas pessoas podem retorquir que uma pessoa não-capitalista nunca possuíria um iPod, mas eu tenho argumentos plausíveis de que um iPod é uma necessidade, o que torna a sua compra consumo, e não consumismo U.U). contudo, como eu não queria deixar passar o natal em branco aqui no blog, resolvi falar de uma das melhores coisas que o dia 25 de dezembro trouxe pra mim (depois da comida maravilhosa da minha mãe): os álbuns de natal do sufjan stevens *_*

pra quem nunca ouviu falar, sufjan stevens é o rapaz da foto acima, músico americano jovem e talentosíssimo mais conhecido pelo seu audacioso projeto de fazer um álbum conceitual para cada estado dos Estados Unidos. Nessa looooonga estrada que ele tem a percorrer, ele já lançou dois álbuns, Michigan e o fantástico e aclamado Illinois, meu favorito por sinal. e quando não está ded
icando-se aos 48 que faltam, ele lança belíssimos cds de natal, indo do tradicional "jingle bells" à músicas espirituosas como "get behind me, santa!".

os 5 cds de natal disponíveis pra download aqui referem-se ao período entre 2001 e 2005. depois disso, sufjan passou a presentear amigos com seus cds de natal, e eles não são mais lançados oficialmente. entretanto, claro que uma boa varrida na internet não torna nada impossível: assim que acabar esse post, eu vou baixar o songs for christmas volume 8 \o/


no mais, bom natal pra todo mundo. se assim como eu, você não se importa com o sentido religioso do natal, aproveite a data pra estar mais perto das pessoas que ama ou pra gastar algum tempo com sua família. acho que isso é o que realmente importa no natal.

Songs for Christmas Volume 1 - Noel (2001)
[clique aqui pra baixar]

Songs for Christmas Volume 2 - Hark! (2002)
[clique aqui pra baixar]

Songs for Christmas Volume 3 - Ding! Dong! (2003)
[clique aqui pra baixar]

Songs for Christmas Volume 4 - Joy (2004)
[clique aqui pra baixar]

Songs for Christmas Volume 5 - Peace (2005)
[clique aqui pra baixar]


créditos de download: comunidade
sufjan stevens no orkut.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

"realize that life goes fast": vinte-e-três (epílogo)

pois é, agora eu tenho 23. e, convenientemente, nada mudou. tudo está exatamente no mesmo lugar e eu me sinto o mesmo que eu era no dia 17 de dezembro. mas os 23 anos trouxeram, acima de tudo, equilíbrio. nesse momento eu sei medir exatamente a pessoa que sou e a pessoa que quero ser, os meus erros e os meus acertos, meus passos firmes e meus tropeços. e quando você passa a ter esse nível de consciência sobre você mesmo é sinal de que você alcançou o índice de amadurecimento necessário para ser caracterizado como um adulto. sim, demorou um bocado, mas no momento eu me sinto mais adulto que nunca (rs).

um agradecimento singelo a todas as pessoas que usaram de suas palavras sinceras para me cumprimentar no dia de ontem. eu confesso que me sinto meio constrangido com essa coisa de "parabéns", mas o carinho emanado por vocês é de encher meu coração de contentamento.

e agora, com licença, mas gostaria de falar com 4 pessoas em particular u.u (rs):

ágatha e gu: nada mais conveniente que um post em parceria de vocês dois, onde vocês dissecaram o nosso pequeno triângulo particular com perfeccionismo ímpar. eu confesso que no momento atual da minha vida, vocês são parte tão crucial dela quanto o ar que respiro (deixando de lado o romantismo brega e me referindo à parte orgânica mesmo), porque eu não consigo SEQUER imaginar olhar pro lado e ver que não tenho vocês dois ali. eu sei que essa necessidade é até um pouco apreensiva, mas prometo que não é nada doentio, viu? (rs).
as palavras de vocês aqui nesse blog retrataram perfeitamente o que somos juntos: parece até coisa de filme de comédia bizarro americano, mas o nosso menaginho é o que há (rs!).
amo vocês, okay?
e bichinha safada é o caral*o que os partam u.u
sou um homem centrado, moldado às regras da alta-sociedade e digno de respeito. (KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, escaralhei).

bia-beatriz: é íncrivel conferir que ainda estás bravamente aqui, a me aturar da mesma forma que me aturava há 3 anos atrás, quando éramos tietes incansáveis do músico-surfista. algumas vezes cheguei a pensar que você pularia do barco, porque você aí, tão interessante e amadurecida e eu aqui um boboca com paixões platônicas. mas a cada dia que passa, incrivelmente os laços se apertam e nos entendemos da nossa forma, mesmo no silêncio do msn
ou nos depoimentos escondidos do orkut (uma coisa meio calendário-de-padres, se é que você me entende, rs). a necessidade física se torna obsoleta diante do quanto consigo te amar só aqui pela telinha do pc, viu? claro que ainda quero te ver novamente, me perder na noite de são paulo contigo e apertar suas bochechas até deixá-las roxas (rs). mas o que importa é poder parar pra refletir um pouquinho e contemplar a grandiosidade do que construímos.
obrigado por nunca ter desistido de mim, okay?
ps: deu pra perceber que realmente NÃO sabes postar vídeos no blog (rs).

bia-bianca: deus, o que fiz pra merecer uma coisinha tão preciosamente linda e doce na minha vida? sei lá, você, sua caipirazinha linda, deve ser algum presente que estou recebendo nessa vida por bons modos na vida anterior (rs).
mas, falando sério, enquanto lia suas palavras, parecia que havia uma vibração emanando da tela do computador, uma coisa suave e cheia de vida, provida de afeto e amor verdadeiro. algo que eu não sei explicar muito bem, mas que encheu meu pequeno músculo pulsante de contentamento.
eu sempre gostei particulamente de usar a palavra sincero para adjetivar o amor genuíno que temos um pelo outro e suas palavras me deram ainda mais certeza que a escolha da palavra não foi vã: o que sentimos um pelo outro é muito puro e natural, mew, totalmente despido das coisas falsas que vemos aí pela internet.
eu sou apaixonado pela sua pessoa, bianca. a cada dia que passa, a cada nova janela de msn aberta, você conquista ainda mais minha admiração e o meu amor. e sei que estou dedicando esse sentimentos à pessoa certa, tenho certeza absoluta disso. te amo, viu?

"We rule the world together
With out secret codes
And plans we can't remember"

vocês 4, gu, ágatha, bia-beatriz e bia-bianca, são no momento a melhor parte dos meus 23 anos. desculpem por colocar toda essa responsabilidade em suas costas, mas daí veio o pedido de escreverem no meu blog no dia do meu aniversário: para descrever o quão sortudo eu sou de ter o amor de 4 pessoas tão especiais, precisava ser em vossas próprias palavras.

e vocês se saíram perfeitamente bem.

you've made my day special.
and i love you endlessly.

que venham os 24 (sugestivo, não, KKKKK³).

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Parabéns, rapha!

Oi, meu nome é bianca e moro na roça.
Tô aqui pra tentar falar um pouquinho do quanto o rapha é especial pra mim. E isso é difícil, porque, ao contrário dele, eu sou péssima pra escrever algo que seja digno. Porém, tudo que for falado aqui, será de coração, será tudo escrito com muito amor.
Rapha, acho que tu não tem noção nenhuma do quanto é importante pra mim.
O que eu mais queria nesse dia era te dar um abraço apertaaaado, um beijo nesse cabeção e escutar tua risada! Como isso não é possível, vamos nos contentar com esse texto esforçado, ok? :(
Tu surgiu na minha vida em uma época muito feliz, em que eu fazia coisas que considerava divertidas e que hoje não têm sentido nenhum pra mim. Tu acompanhou meu crescimento como pessoa, meu amadurecimento. Talvez seja por isso que tu tem moradia fixa no meu coração. SEMPRE esteve ao meu lado, rindo comigo, rindo de mim, me aconselhando, me mostrando que eu estava errada (mas sem me julgar, falava de coração aberto) e apesar de eu estar falando no pretérito, isso ainda acontece!
Certo dia, depois de um looongo período da tua ausência (em que eu senti sofrivelmente tua falta), tu me fez perceber que eu realmente sou importante pra ti, me contando uma coisa muito pessoal, muito íntima. Apesar de parecer pequeno, esse ato significou MUITO pra mim. E significou porque tu significa muito pra mim. Pensar em ti é pensar em amizade, amizade verdadeira, sincera, que não pede nada em troca, que passa por cima dos obstáculos e do tempo. Aliás, eu nem sei há quanto tempo somos amigos! Passamos pela fase de só zuar um ao outro, depois nos conhecemos melhor e eu vi em ti uma pessoa com quem contar pra sempre. Sim, rapha, sobre ti eu posso falar em eternidade, porque, pra mim, os sentimentos verdadeiros são eternos. A presença não é, claro, mas o querer bem, o carinho, o AMOR, são sim!
Eu queria te falar que apesar da distância, tu é fundamental na minha vida. E não falo isso da boca pra fora, tu sabe bem. Me dói quando tu se sente triste, pra baixo, desanimado (mesmo quando eu falo que é síndrome de indie, juro), porque tu não merece se sentir assim, é um absurdo que uma pessoa tão maravilhosa como tu se sinta sem importância na vida. Assim como tu é alguém importante, faz diferença, tu tem um lugar garantido na minha: o meu amigo favorito!

Feeeeeeeliz aniversário, te desejo tudo de melhor nessa vida, os melhores sentimentos, os melhores momentos e as melhores sensações!
Conta SEMPRE comigo! Saiba que aqui na roça, tem uma caipira que te ama demais, e faz qualquer coisa por ti e pela tua felicidade!

You're my favourite friend
When I need you
And when I don't as well
And I adore you
Love you to the end

Meu bixxxcoito favorito !



Sorria, hoje é seu dia..ahahahahaha...Raphaaaa, eu lembro como se fosse hoje o dia que nos conhecemos, e com 1 mês de madrugadas a dentro conversando coisas sérias, engraçadas, falando merda e trocando MILHARES de músicas eu já sabia que você é uma das poucas pessoas que eu quero do meu lado pro resto da minha vida, meu amigo querido que me aguentou muuuuito, que aguentou minhas neuras amorosas, minhas alegrias cotidianas e minhas decepções, e sempre esteve do meu lado pra não deixar a peteca cair, até me aguenta ainda, mas não como antes, afinal, não sou mais vagal...ahahaha.

Eu me sinto mais que honrada por ser uma das 4 pessoas da sua vida, e maaais honrada pela confiança que teve em mim, abrir seu coração sem medo, e me deixar te ajudar, ou pelo menos tentar. Mesmo distante eu estou sempre com você, e vou estar aqui sempre que precisar, não preciso ficar te falando isso sempre porque você já sabe o quanto é importante ter você na minha vida, mesmo quando nossas conversas são só o resumão de domingo...rs...E tuuudo o que estão te desejando hoje venha em doobro pra ti.


Amooo você, e sou péssima para declaraões de amor..ahahahaha....

Beijos, Bia (Beatriz)

Obs: Não sei postar vídeo nessa merda, não sei se vai sair certo.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Blablabla, parabens pra vc, etc e tal. ¬¬'


Parabéns pra vc nessa data querida, blabla etc e tal...
Estamos aqui, além de pra vomitar todos os cliches dessa data querida, pra dizer sobre a importancia do rapha em nossas vidas(Ágatha e Gustavo)...
nós dividimos TUDO com o "Rapha Boy"... TUDO... o pior é qdo ELE quer dividir coisas conosco...(urgh kkkkkkkkkk)
Rapha, não sabemos o que seria das nossas desavenças se não fosse por vc... vc bota lenha na fogueira como ninguém, meu *_*!
Trabalhar contigo(acredite ou não), faz o trabalho parecer menos... é... digamos... chato. rsrsrs...
Beber contigo, SEMPRE é coisa muito boa... (ou constrangedora pra uma das partes do trio hihi);
NaEL é o cara, rapá! kkkkkkkkkkkk Bêbado então nem se fala... passaremos o seu aniversário,o almoço de natal, a noite de reveillon, e muitas outras, juntos(os três SEMPRE), alcoolizados, soltando pérolas e farpas, ao mesmo tempo! =)

Bem, no fim das contas o importante é: dar os parabens pra Silvia e Renato por terem, em um momento sublime(kkkkkkkk) concebido esse ser magnânimo, Digníssimo, incomparável, e insuportável: Raphael cardoso.
sem vc não somos o mesmo casal!

Nessa data indesejada, o que a gente deseja é q vc tenha equilibrio, sabedoria e muita maluquice nesse e em todos os outros anos mais que você ainda vai fazer!
FELICIDADES SEMPRE, RAPHINHAAA(ou não ¬¬' hihi)

PS1:desculpa a homenagem simplória(e em dupla), mas estamos certos de que mais do que nunca, nada mais apropriado de prestarmos um homenagem a você JUNTOS!
PS2: te amamos, bichinha safadaaaaaaaaaaaa KKKKKKKKKKKKKKKKK

PS3:perdoe a pobreza das palavras, o cansaço pelo noite MARA de ontem não nos permite fazer nada mais elaborado... rsrsrsrsrs
Ágatha e Gustavo.

vinte-e-três (introdução)

daqui a algumas horas (mas precisamente às três e quinze da manhã) fará 23 anos que este ser que os fala habita o planeta terra. confesso que nunca fui fã do dia 18 de dezembro e até sinto uma certa ojeriza pelas coisas relacionadas a aniversários. sim, eu sou uma pessoa estranha, já que os aniversários servem para celebrar a nossa existência e a magia que rodeia o fato de estar vivo. confesso também que sou tomado por uma depressão difícil de explicar nos dias que antecedem a data, me isolo e tudo mais... mas especificamente esse ano de 2008 merece ser comemorado por ter sido o melhor ano da minha vida. falaremos melhor sobre isso em tópicos próximos.

o meu blog, nas próximas 24 horas que caracterizam o dia do meu aniversário, será dominado por 4 pessoas que obtêm meu login e meu password. o objetivo? dizer de alguma forma, num post, a impotância que tenho em suas vidas, seja através de palavras, vídeo, fotos ou qualquer outra forma de expressão. o importante é que seja uma mensagem verdadeira, que transmita o que vocês realmente têm em seus corações.

a escolha dessas 4 pessoas, obviamente, não foi aleatória; os próximos 4 posts deste blog serão escritos por 4 das pessoas mais especiais da minha vida, sem hipérbole alguma. pessoas que me ajudaram a atravessar esse ano e torná-lo um dos anos mais importantes da minha vida: bia (bianca), que esteve ao meu lado esse ano com seu humor irreverente e seu amor tão sincero; bia (beatriz), que continua me aturando bravamente como quando a gente se conheceu lá na comunidade do jack johnson; ágatha, que chegou a pouquinho tempo mas já dominou uma porcentagem gigante do meu coração só pra ela; e gustavo, a pessoa mais fantástica que eu tenho ao meu lado no momento.

a questão não é provar nada, vocês podem ter certeza absoluta disso: eu tenho total ciência do amor que cada um de vocês têm por mim e muitas das vezes isso é o melhor dos argumentos para abrir os olhos de manhã.

contudo, é meu aniversário.
e eu não gosto de aniversários.
eu estou depressivo.
com tendências suicidas aguçadas (rs).

portanto...

it's in your hands.
make my day special. ;)

domingo, 14 de dezembro de 2008

(not so) useless top 5 - álbuns mais ouvidos do ano

o useless top 5 (top cinco inúteis) é um quadro fixo do meu blog que enumera periodicamente os 5 melhores numa categoria irrelevante e sem importância alguma. neste, que é o último do ano, vamos saber quais foram os 5 cds que não pararam de tocar repetidamente no meu computador, meu cd player, meu iPod e até na casa dos meus amigos. são os 5 álbuns que mais ouvi esse ano, de acordo com a confiável fonte que é meu last.fm. todos os cds estão com link para download, bastando clicar nas fotos das capas para baixar. quem sabe eles não viram seus álbuns mais escutados também? ;)

5° lugar: aha shake heartbreak, por kings of leon (2004)
total de execução de suas faixas: 227 vezes

king of the rodeo, a 2° faixa desse álbum já faz parte das minhas músicas favoritas há bastante tempo, desde que a mtv passava o clipe com certa frequência em suas manhãs de música alternativa. mas durante esse ano eu finalmente deixei minha preguiça de lado e baixei a discografia do kings of leon, descobrindo que eles são com certeza uma das melhores bandas de rock na ativa.
do vocal caipira e viril do caleb à bateria alucinada do nathan, aha shake heartbreak foi o álbum que acompanhou meus momentos mais descontraídos e felizes durante esse ano. não foram poucas as vezes que me peguei cantando a plenos pulmões "AHAAA SHAAAAAKE TAPER JEAN GIRL WITH A MOTEL FACE" quando a casa estava vazia, ou fazendo dancinhas com uma guitarra imaginária às mãos durante os solos de "soft".
aha shake heartbreak foi o raio de sol nos meus dias nublados durante esse ano. merecidíssimo 5º lugar =]

faixas: (as minhas faixas favoritas em cada cd estão marcadas com asteriscos)
1- slow night, so long [*]
2- king of the rodeo [*]
3- taper jean girl [*]
4- pistol of fire
5 - milk [*]
6 - the bucket [*]
7- soft [*]
8- razz
9- day old blues [*]
10- four kicks
11- velvet snow
12- rememo
13- where nobody knows [*]

créditos de download: comunidade discografias, no orkut.


4º lugar - o, por damien rice (2003)
total de execução de suas faixas: 241

o damien rice, certas vezes, é incompreendido pelo grande público. algumas pessoas vêem nele um esquisitão com músicas melosas e gritos histéricos, enquanto outros vêem potencial radiofónico o suficiente pra fazer uma super-duper versão em português e tocar suas canções como tema das novelas globais.
mas damien rice, pros fãs de verdade, vai muito além disso. só quem tem um de seus álbuns como álbum de cabeceira consegue entender que sua angústia é verdadeira e que sua música é um jeito de expressar sua tristeza e melancolia. é tão assustadoramente real sua frustração com os sentimentos que é quase palpável.
damien rice foi minha trilha sonora para os momentos mais depressivos desse ano. "delicate" foi um ode a um amor que ainda não vivi, "older chests" foi o regresso de uma nostalgia vívida e "eskimo" um hino à solidão que me acompanhou bem de perto o tempo todo. mais que isso, "o" foi o álbum que foi comigo para a cama, me ninou e trouxe sonhos de dias melhores. fantástico, lindo, verdadeiro. 4° lugar.

faixas:
1- delicate [*]
2- volcano [*]
3- the blower's daughter [*]
4- cannoball
5- older chests [*]
6- amie
7- cheers darlin'
8- cold water [*]
9- i remember
10- eskimo [*]

créditos de download: comunidade discografias, no orkut


3° lugar: riot on an empty street, por kings of convenience (2004)
total de execução de suas faixas: 247

erlend e eirik, os carismáticos músicos que compõem o kings of convenience, fazem magia com seus violões dedilhados, suas vozes aveludadas e seus versos brilhantemente organizados em algumas das canções mais lindas que já ouvi. a paixão pelo duo norueguês é tanta que já os conheço há 2 anos e, mesmo assim riot on an empty street continua sendo um dos cds que mais ouço. e isso não tem menção alguma de mudar enquanto "cayman islands" conseguir me transportar para lugares paradisíacos que não conheço, enquanto "misread" for o tema de um dia ensolarado num parque e "i'd rather dance with you" uma sarcástica canção pop primorosa.
esse álbum é, simplesmente, uma obra-prima. simplesmente. 3º lugar.

faixas:
1- homesick [*]
2- misread [*]
3- cayman islands [*]
4- stay out of trouble [*]
5- know-how
6- sorry or please [*]
7- love is no big truth
8- i'd rather dance with you [*]
9- live long
10- suprise ice
11- gold in the air of summer [*]
12- the build-up [*]

créditos de download: blog rocktown! downloads


2º lugar: 9, por damien rice (2006)
total de execução de suas faixas: 258


e eis o irlandês depressivo novamente, o que não me causa nenhuma supresa, já que damien rice é um dos meus músicos favoritos. mas isso prova a teoria de que a música que ouves é um reflexo do que andas sentindo: num ano em que andei parcialmente recluso, absorto nas minhas verdades e nos meus sentimentos, damien rice foi a trilha-sonora exata, um tiro certeiro para ilustrar que as coisas não andavam bem comigo.
da belíssima balada "dogs" (uma das minhas músicas favoritas do cara) à impactante "me, my yoke and i", 9 foi um bom motivo pra chorar ("9 crimes"), pra berrar ("elephant" e "rootless tree") e pra dizer um foda-se ao mundo e não ter que explicar nada a ninguém ("coconut skins"). obrigado pela companhia, damien. foi de suma importância ;)

faixas:
1- 9 crimes [*]
2- the animals were gone [*]
3- elephant [*]
4- rootless tree [*]
5- dogs [*]
6- coconut skins [*]
7- me, my yoke and i [*]
8- grey room
9- accidental babies
10 sleep, don't weep

créditos de download: comunidade 9 :: Damien Rice, no orkut.


1º lugar: sou, por marcelo camelo (2008)

total de execuções de suas faixas: 334

o controverso álbum solo do camelo foi motivo de discussões calorosas entre os fãs xiitas dos hermanos, que esqueceram de um detalhezinho quase insignificante: se preocuparam tanto em criticar o álbum que não conseguiram sentir a verdade que camelo colocou em cada segundo desse álbum. "sou" não é um álbum para ser ouvido; você precisa estar com seu espírito em harmonia para entender sua grandiosidade.
eu, que já me identificava perfeitamente com as composições dos hermanos, achei no álbum do camelo meu oásis. é até engraçado como "mais tarde" fala da nossa insignificância diante do mundo do mesmo jeito que me sinto diante da complexidade da vida; como "doce solidão" fala da cômoda ausência de alguém para partilhar sua vida, aquele tipo de solidão que você acaba se acostumando por conveniência; e como "vida doce" é carregada de uma esperança lívida com seu ritmo caliente.
é uma pena que as pessoas não tenham conseguido sentir a discreta miscelânea de emoções que é o "sou". pra mim, esse é um retrato sonoro perfeito do que o ano de 2008 representou pra mim. convenientemente onde devia estar: 1º lugar.

faixas:
1- téo e a gaivota [*]
2- tudo passa [*]
3- passeando
4- doce solidão [*]
5- janta [*]
6- mais tarde [*]
7- menina bordada [*]
8- liberdade [*]
9- saudade
10- santa chuva [*]
11- copacabana [*]
12- vida doce [*]
13- saudade [*]
14- passeando

créditos de download: comunidade marcelo camelo, no orkut

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

minha emo favorita.


prometi fazer uma coisa diferente e criativa para quando fosse homenagear a bianca no dia do seu aniversário mas, diante do bloqueio criativo em que me encontro, o máximo de criativadade que consigo é um telefonema de alguns minutos para falar de assuntos irrelevantes. e o pior de tudo, sequer dei os parabéns ao telefone. bem, estou aqui agora para corrigir o erro.

bianca é o máximo de diversão que eu tenho na internet, essa é a verdade. okay, eu conheço bastante gente que nunca vi na vida e que só tenho contato pela internet, mas quem realmente me faz abrir um sorriso de orelha a orelha é a bia. é ela quem me faz enfrentar o tédio internético e aparece de vez em quando no msn, pras conversas que são capazes de transformar um dia ruim numa verdadeira overdose de risadas descontroladas. e esses são nossos melhores momentos, quando estamos ambos bem e gastamos horas sem falar nada relevante: é só bobagem ambigüe, palhaçadas sexuais, zoações sobre nossos cotidianos e sobre nossas fracassadas vidas amorosas.

mas ela, no seu posto de emo-faço-chapinha e eu, no meu de pseudo-indie-depressivo, temos lá nossos (muitos) momentos de depressão, que às vezes nem sabemos bem o motivo. e quantas foram as vezes que um apoiou o outro, deu uma direção quando tudo estava perdido ou um conselho quando tudo tava uma droga? inúmeras vezes eu não conseguia ver sentido na minha vida e a bia estava ali pra me mostrar que estava tudo bem, que essa coisa de se sentir um inútil logo logo ia passar. e sempre passa mesmo, porque eu estou cercado de pessoas muito especiais e você com certeza é uma das que encabeçam a lista.

bom, o mais importante de tudo isso é o amor que tenho por essa garota: é uma coisa tão pura e sincera, tão grande e verdadeira que às vezes eu nem sei expressá-la direito. tanto que esse post, que era para ser lindo, tá tão sem sal quanto o telefonema que dei no sábado à noite. mas um dia eu ainda vou surpreendê-la neste blog, com a mais linda das homenagens... por enquanto esse serve simplesmente para te dizer que, enquanto os anos passarem, eu continuarei aqui acompanhando o seu sucesso e a vida linda que está reservada pra ti. eu já lhe disse isso pessoalmente, mas eu sei que seu futuro é promissor, não apenas pela sua capacidade, que é enorme, mas pelo que você é. e pessoas lindas como ti precisam ser felizes, porque seria injusto que alguma força superior agisse de qualquer outra forma. (filosofei e pirei na batatinha, bjs kkkkkkk)

eu te amo, bia. de coração mesmo, como se a conhecesse há séculos. e você será uma das pessoas que eu vou abraçar e encher de beijos antes de morrer, nem que eu tenha que percorrer o circuito friburgo-goiás a pé. prefiro a teoria do new beatle, um tanto menos cansativa (rs).

feliz aniversário, bia. =]

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

homenageada da semana: super tia cléia \o/


hoje é aniversário de uma pessoa realmente especial e pra mim fica impossível não gastar um pouco do meu tempo pra falar sobre uma das mulheres mais incríveis, divertidas e bacanas que conheço: ladies e gentleman, minha tia cléia.

a gente nem mora perto não, mas eu lembro que desde bem pequeno as vindas de tia cléia para friburgo eram muito esperadas, tanto porque a isis sempre vinha junto quanto pela proximidade que seu jeito irreverente proporciona. as pessoas que me conhecem sabem que não sou nem um pouco apegado à família, suas reuniões e tradições, mas quando tia cléia tá pela cidade eu faço questão de encarar as cerimônias familiares e suas presepadas etílicas (rs).

nos tempos em que estive operando então, a tia cléia mostrou total dedicação para com minha humilde e desimportante pessoa: me buscava na rodoviária, me enchia de comida (encher no sentido mais amplo da palavra, né não isis? rs), me levava pro hospital cedo da manhã e ainda tinha que aturar os rolos da falta de organização do hospital, como quando por 3 vezes seguidas minha operação foi cancelada ¬¬'. e pode passar a vida toda que eu nunca conseguirei retribuir tudo que ela já fez por mim, toda a boa vontade com que me auxiliou, não só durante o período de operações, mas durante toda a minha vida.

e tia, eu te amo viu? amo rir com você, falar bobagem, falar mal da vida alheia (nosso esporte favorito, né não? rs), amo seu jeito cativante, simpático, espontâneo e sincero e, principalmente, amo estar perto de ti onde quer que for. e, aproveitando esse dia, desejo-lhe toda a felicidade desse mundo, porque você realmente merece. =]

se alguém mais quiser dizer o que a tia cléia representa em suas vidas, fiquem à vontade pra deixar um comentário, okay?

feliz aniversário tia =]

domingo, 16 de novembro de 2008

enjoy the silence...

postar aqui exige, muitas das vezes, o máximo da minha inspiração. quando falo aqui, sinto como se estivesse desabafando, colocando todas as minhas frustrações e anseios em palavras escritas.

o engraçado é que, depois de mais de 48 horas completamente sozinho, eu não tenho nada a dizer. tentei o fim de semana inteiro fazer um post e agora, no fim melancólico do domingo, o que resta é contemplar o silêncio.

boa semana pra todo mundo.


"Words are very unnecessary

They can only do harm
Enjoy the silence..."

(depeche mode)

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

e agora o que sobrou? um filme no close pro fim.

as coisas na vida tem o seu momento exato pra acontecer, agora eu percebo. se a gente age um pouquinho antes da hora, corre o risco de ser precipitado. se a gente espera mais do que devia, corre o risco de destruir toda a magia de algo que estava a ponto de acontecer. acreditem em mim, o timing faz toda a diferença.

não faz muito tempo, mas eu já sinto uma saudade íntima do começo de tudo; das primeiras vezes em que você foi à loja, dos primeiros olhares, dos chocolates repetidos e dos sorrisos abobados. lembro-me como minhas mãos tremiam quando eu te atendia, das coisas que passavam pela minha cabeça, dos comentários e conversas com gustavo e daquele friozinho na barriga proveniente da dúvida de saber se estava realmente acontecendo alguma coisa ou se era tudo uma ilusão da minha cabeça. acima de tudo, me causa nostalgia lembrar de quanta esperança se apossou do meu peito enquanto tudo aquilo estava acontecendo; a esperança de que talvez estivesse chegando o momento de finalmente dividir minha vida com alguém.

eu me entreguei aos poucos àquela esperança. gustavo sempre me dizendo pra manter os pés no chão, parar de cair de cabeça nas pequenas sutilezas emanadas por você, mas já não tinha mais volta, eu estava envolvido. decidido, acabei tomando atitudes como descobrir seu nome, te achar no orkut, passar meu msn e fui recompensado com um convite para sair. a noite não saíra como eu planejara, mas houve ali sutis sinais de que eu devia manter a chama da esperança acesa por mais um tempinho, que não estava tudo perdido ainda e que eu não havia me enganado a tal ponto. dias depois, já desesperado, acabei assumindo pra ti e, mesmo assim, agira como se não houvesse nada entre a gente. pra completar, conseguira destruir ainda mais minhas esperanças quando me pediu pra conversar com uma pessoa que faz parte de um passado que não me convém mais, o que abriu espaço em minha cabeça pra imaginar conspirações miraboladas pela mente de tal pessoa, que ainda hoje vigia minha vida como um paparazzi atrás da amy winehouse (rs).

era hora de voltar ao mundo real e confesso que não foi tão fácil assim. na situação em que eu me encontrava, eu precisava me prender em qualquer coisa que mostrasse que podia haver alguém pra mim nesse mundo e tudo o que eu conseguira com esses meses de expectativa foi outra decepção. tive mais ou menos uma semana de fossa, fiquei na minha, cabisbaixo, até mesmo um pouco depressivo. mas as coisas se acertaram dentro de mim e, aos poucos, me senti confortável com a idéia de que seríamos simplesmente amigos agora.

entenda que você teve todas as chances do mundo, porque eu estive ali o tempo todo esperando por aquilo. não venha me falar de medo, porque eu mandei todos os sinais possíveis e impossíveis pra que você percebecesse o que estava acontecendo dentro de mim. e quando finalmente aconteceu, o álcool nos ajudou a manobrar a situação com perícia e juro que não me arrependo de nada. mas o dia seguinte, com a cara amassada pela ressaca mostrou exatamente com o que estávamos lidando: meus sentimentos já eram outros e agora, despido dos óculos que me mostravam você de uma forma poética, sobrara apenas o que éramos realmente. e tivemos a pior semana do tempo que passamos juntos por causa disso, por finalmente ver de verdade quem éramos e perceber que éramos incompatíveis diante de nossas expectativas.

a verdade é que eu não posso regredir no tempo e voltar a ser a criança que você quer que eu seja. tampouco você pode amadurecer de repente e se tornar a pessoa que eu preciso do meu lado agora. portanto, não há saída.

"deixa ser como será. tudo posto em seu lugar (...)."

Los Hermanos - Retrato pra Iáiá

sábado, 8 de novembro de 2008

o menino que sobreviveu.

ontem foi aniversário de - com o perdão da hipérbole - umas 3 mil pessoas da minha família e eu fui em duas pequenas reuniões para comemoras tais datas: uma na casa da minha irmã e outra na casa da minha tia rose.

durante a segunda, quando já estávamos indo embora, meu pai comentou com um pequeno grupo de pessoas a respeito da minha operação e seus resultados. pediram então para que eu mostrasse como tinha ficado e tirei o boné sem problemas, recebendo reações positivas e elogios sinceros de que estava ótimo e quase imperceptíveis as marcas da queimadura. leandro, meu primo e também aniversariante do dia 7 de novembro, comentou então, em tom pesaroso:

"eu lembro da época que você estava no hospital, todo roxo, com a cabeça desse tamanho (esticando as mãos a uma distância de 30 cm uma da outra) por causa da inchação. "

em outro relato, tia rose disse:

"a imagem que mais me marcou de tudo foi quando cheguei ao hospital e o renato (meu pai) estava com você no colo, chorando descontroladamente, enquanto você estava em completo silêncio, a sopa escorrendo do seu corpo e molhando as costas do seu pai."

confesso que meus olhos marejaram com essa narração, mas karla, minha prima também, completou com bom humor:

"a verdade é que disseram: 'eita, esse cara tá bonitão demais, vai ficar vaidoso e se achando. precisamos dar um jeito nisso'. e daí te deram uma rasteira pra que você não ficasse se gabando muito.

okay, apelou nessa, karla (rs).

mas a verdade é que eu continuo aqui. minha vida tinha todos os motivos pra acabar naquela noite de 1987, mas uma reviravolta me deixou crescer praticamente intacto e tudo que resta agora daquele episódio são pequenas cicatrizes quase imperceptíveis no meu braço direito e algumas falhas no meu couro cabeludo. de uma tragédia que deixou minha cabeça do tamanho de uma bola de basquete sobraram marcas superficiais. e, o que eu me pergunto, é o porquê disso. por que ainda estou aqui se a vida teve a chance certa de me levar embora?

eu explico.

já faz praticamente 23 anos que estou ocupando espaço no planeta terra e até hoje eu não recebi um sinal claro e nítido do por quê de minha existência. eu podia simplesmente aceitar o fato de estar vivo, mas pra mim isso é pouco. eu acho que qualquer existência precisa de um motivo, porque é um pensamento medíocre demais acharmos que estamos aqui pra nascer, viver e morrer. e não falo de atos exorbitantes que mudam o trajeto do mundo, afinal, nem todo mundo é um alma evoluída e não nasce um john lennon todo dia, não é mesmo? (e quem não acha que os beatles são um fato que mudou o trajeto do mundo merece arder no mármore do inferno, rs). quando eu falo de um motivo pra existir, falo de coisas bem mais simples e sutis que podem ser de total irrelevância pra uma pessoa ambiciosa ou materialista demais. porque, na minha concepção, vir para o mundo apenas para trazer um sorriso para um rosto desamparado é completamente satisfatório. estar aqui simplesmente para completar a vida de alguém, para ser a outra metade, o alicerce é um ótimo motivo pra ter todos os dias os pulmões preenchidos de oxigênio. vir para amar, pra trazer bons pensamentos e boas ações devia ser o suficiente para cada pessoa achar um bom motivo pra estar vivo.

mas eu fico meio puto de olhar pro reflexo do espelho e ver um nada materializado. de não estar completando a vida de ninguém, de não estar propagando nenhuma boa atitude num mundo que tanto está precisando ou de estar pra não ser somente mais um acomodado com a mediocridade. eu sei que não tenho capacidade de ser um marco na história e nem tenho ambição para tanto, tampouco tenho tendência ao altruísmo mas eu me contentaria em ser alguém, sabe? em olhar pro espelho, abrir um sorriso e dizer: "você é a metade da vida de alguém. é o motivo do sorriso de alguém. você ama alguém e esse amor é retribuído. você tem um motivo para acordar toda manhã. você não está nesse mundo à toa, cara." mas tudo o que tenho todos os dias é um trabalho onde as pessoas me olham de cima, como se eu estivesse no meu exato lugar e nada além de ser um balconista-carregador-de-caixas estivesse guardado no meu futuro. a cada dia, meu coração se acostuma mais com a solidão, a ponto de às vezes eu desejar ficar sozinho mesmo e me sentir absolutamente confortável com isso.

de certa forma, eu sou o menino que sobreviveu, assim como o harry potter. ele, sobreviveu pra salvar o mundo dos bruxos. eu, se conseguir salvar pelo menos o meu, já estarei deveras satisfeito.

domingo, 2 de novembro de 2008

useless top five - festas frustradas

meu computador finalmente retornou ao seu lar e, para festejar, nada melhor que um useless top 5 listando as 5 piores festas da história \o/

para quem não se lembra, o useless top 5 (top cinco inúteis) é um quadro fixo do meu blog que enumera periodicamente os 5 melhores numa categoria irrelevante e sem importância alguma. e no post de hoje eu vou relembrar as 5 festas onde tudo deu errado, o álcool passou da conta e o bom senso foi inexistente. uma breve exposição das boas lembranças de minha adolescência.

5º lugar: luau da carina no amparo

- cúmplices: gustavo, filipe, diego e ísis.

essa festa já começou errada antes mesmo de chegarmos lá: quando estávamos saindo da minha casa, rodolfo, um mendigo-celebridade aqui do bairro estava mijando na frente do portão. segundo o depoimento de filipe, que analisou minuciosamente as partes íntimas do eterno chapolim, seu orgão genital estava parecendo uma linguiça de frango, graças à doença de pele que ele adquiriu e que afeta a pigmentação de sua pele. depois disso pegamos o ônibus, e após uma longa viagem (amparo é um distrito rural e fica há uns 30 minutos da cidade), chegamos ao sítio onde aconteceria a festa.

com o álcool liberado, não foi difícil para mim e para o diego - na época, sempre os dois primeiros a ficarem embriagados - perdermos rapidamente a consciência de nossos atos. digamos que diego passou a noite com uma das toalhas de mesa sobre a cabeça fazendo a dança do fantasma no meio da pista. em momentos mais corajosos, ele arriscava brilhantemente o moonwalk, pra delírio de todos que já estavam com a barriga doendo de tanto rir da cara dele.

já eu me encontrava jogado numa mesa, no meu estado depressivo já inerente dos meus porres. entreguei uma rosa a uma das meninas, no melhor estilo boêmio e vomitei na parte de trás da casa, escondido dos demais convidados. maik, o namorado da carina, insistia para me levar para casa, mas eu relutava, decidido a ficar ali enquanto houvesse álcool.

filipe e gustavo, enquanto isso, partiam para o flerte: quem gustavo beijou eu não lembro, mas como esquecer a mulher peluda com quem filipe se atracou sem vergonha nenhuma? (rs). e o pior de tudo é que um ex-namorado da bigoduda estava por lá, o que quase rendeu uma briga. os seguranças interviram, para sorte do filipe, porque se ele apanhasse por beijar um demônio daqueles, ele tomaria outra coça minha no dia seguinte (rs).

passados os momentos de tensão e embriaguez, coisas estranhas começaram a acontecer. sem muitos detalhes, diego e sua tática da manha-pós-álcool fizeram mais uma vítima, filipe quase teve um filho de tanto ciúme e gustavo me ridicularizou, me apresentando bêbado a uma menina - na verdade, ele queria pegar a amiga dela. ele sempre usava essas táticas ¬¬'.

passei mais ou menos 1 hora dando idéia na menina, gastando minhas péssimas cantadas e dizendo coisas estúpidas como "você é a mulher mais linda que eu jás vi". (rs). e na hora de ir embora, fui deitado no ombro dela, com a ânsia de vômito corroendo meus nervos. mesmo depois de todo esse esforço, não consegui arrancar um beijo da menina, o que rende a essa festa o 5º lugar desse useless top 5.

(na foto abaixo, a única prova ocular dos vergonhosos acontecimentos daquela noite de sábado. por bom senso, nenhuma outra foto foi tirada, rs).


4º lugar: formatura da carina na sef


- cúmplices:
gustavo, filipe, diego e danúbia.

tem gente que não aprende a lição mesmo: depois de toda a vergonha feita no luau, eis que carina nos aparece vendendo convites para sua festa de formatura, novamente com bebida e comida liberadas. óbvio que não seríamos imbecis de perder uma bocada dessas e lá ficamos nós por mais de uma hora na fila até a portaria ser liberada. nesse tempo, já bêbados, fizemos amizade com algumas ladies deveras perturbadas que moravam logo ali do lado e demos boas risadas com elas.

entretanto, quando a entrada finalmente foi liberada, o efeito etílico em nossas mentes já tinha nos abandonado e, caretas, não conseguimos aproveitar muito a festa, não. mas lembro que lá foi a primeira vez na vida onde ouvi a belíssima melodia do mc créu. a primeira vez a gente nunca esquece (rs).


tudo bem que a festa não estava lá essas maravilhas, mas quando as bebidas foram finalmente liberadas, filipe fez um favorzinho pra gente: um ex-namorado da ex-namorada [?] do gustavo estava por lá, doido pra arranjar treta com ele. gustavo tava bem na dele, se contendo, mas filipe (que na época fazia tiro de guerra e esta se achando o tom hanks em soldado ryan) deu um tapa na cara do rapaz e arranjou uma confusão dos diabos. o segurança apartou a briga e nos convidou, educadamente, para nos retirarmos da festa. ¬¬'

uma hora de fila. 30 minutos na festa. frustração total, 4º lugar.

3º lugar: 746 american bar

- cúmplices: filipe, gustavo, diego, marcinho, fernanda, ingrid e lauane.



nós praticamente passamos nossa adolescência no 746, a única boate da qual gostávamos de friburgo. e das várias vezes que fomos lá, não foram poucas as que o álcool foi um pouquinho demais, mesmo que a bebida liberada fosse até meia noite e nós chegássemos sempre às 11:59. mas uma em particular foi a mais vergonhosa de todas.

era uma noite onde a área vip da festa era só para as mulheres e acabei encontrando com a lauane por lá. ela estava na área vip, extraviando copos de vinho pra gente (rs). misturados com as tequilas (que até hoje há dúvidas se realmente eram tequilas ou pirasssununga misturada com alguma coisa) e com as cervejas, o efeito foi rapidamente desastroso: caí na parte externa da boate, agarrado à lixeira,quase vomitando o estômago junto. a queda de pressão me causou um frio intenso e fernanda tirou seu bolero e me deu para que eu me aquecesse. enrolei meus braços ao pequeno tecido, deitei no chão de concreto e fiquei por ali tremendo, até finalmente melhorar (algumas horas depois).

naquela mesma noite eu reencontrei a lau, nos abraçamos e talz e eu disse no ouvido dela: "eu não posso te beijar, eu estou todo vomitado". romântico, não? (rs). daí alguém veio tirar fotos e eis que saímos num site de festas desse jeito, completamente bêbados:

notem o bolero da fernanda ainda pendurado em meus ombros. tsc, quanta vergonha! 3º lugar. >.<

2º lugar: churrasco do p******.

- cúmplice: filipe.

tenebroso, assustador, vergonhoso, embarassador... faltam adjetivos para caracterizar aquela noite, onde entrei de gaiato num churrasco de certos amigos do filipe. nenhum nome dos presentes será citado, para vocês terem noção do nível de vergonha que essa pequena reunião pode proporcionar a quem estava lá. usarei pseudônimos e manterei em segredo a identidade das pessoas envolvidas.

era noite de sexta feita e filipe me chamou pra ir no tal churrasco. eu não tinha grana para pagar, mas filipe conversou com jurema e ela deixou eu entrar mesmo assim. jurema é um amor, beijos para ela (rs). o churrasco estava acontecendo numa laje, onde também ficava o quarto do dono da casa e, de início, todo mundo estava bem comportado. mas bastou uma garrafa de vodka de segunda qualidade com um drops de bala halls para neguim perder a cabeça. diante de uma trilha sonora bem poética ("quero que o mundo se acabe em b*ceta / só pra eu morrer f*dendo / quero que o mundo se acabe em p*roca / só pra eu morrer sentando"), jurema, duda e creusa rebolavam, se agarravam, levantavam a saia, caiam na cama de pernas pro ar e repetiam o refrão aos berros, fazendo daquelas palavras sua meta de vida. então jurema foi pro quarto com seu namorado e trancou a porta, pra momentos depois relatar que o cara era um frouxo e não partiu pro ataque.

mas o dono da casa não fez o mesmo: facilmente adalberto levou creusa pra rede e lá os dois fizeram momô gostoso (lol). o problema é que, mesmo trancando a porta que levava da laje pro quarto, as laterais da casa davam passagem para a varanda e, o que devia ser um momento íntimo virou um verdadeiro big brother: todo mundo acompanhou junto os movimento frenéticos na rede. pura putaria imprópria pra menores de 18 anos. rolam boatos de que juquinha, o mais novo de todos os presentes ficou ao lado da rede, masturbando-se deliberadamente. isso eu não vi, mas diante da libertinagem que presenciei, não duvido nada que possa ter acontecido. mesmo porque juquinha tem cara de quem faz essas coisas (rs).

quando acabaram o ato, adalberto apareceu sem camisa, virou uma garrafa de alguma bebida alcóolica no gargalo e respirou fundo, teatralmente. seus amigos, inclusive o frouxo namorado de jurema, o abraçavam e o congratulavam, enquanto eu, encostado numa das beiradas da laje, assistia a tudo incrédulo, abanando a cabeça. chamei filipe pra ir embora, mas ele insistia em ficar. o sem-noção ainda chamou creusa de piranha e a menina começou a chorar, dizendo que ter dado pro adalberto assim não fazia dela uma piranha [???????]. demoraram a conseguir acalmar a menina, com conselhos poéticos e relatos sobre suas próprias vidas. um espetáculo!

é desse freak-show apelidado de churrasco o 2º lugar do useless top 5: festas frustradas.

1º lugar: festa de formatura do CNSD

- cúmplices: gustavo, filipe, diego e josué.

o primeiro porre a gente nunca esquece. essa afirmação é de tamanha sabedoria, já que a primeira vez que caí de bêbado é até hoje um dos dias mais vergonhosos da minha existência.

quando eu e gustavo chegamos à rua, ingenuamente com uma long neck em mãos cada um, filipe, diego e um grupinho de amigos já estavam alucinados de tanto álcool. junte a isso uma garrafa de vinho conseguida com algumas amigas do diego e doses generosas de ypióca e você terá um quadro um tanto desastroso: diego caindo de cara na porta de ferro de uma loja, eu correndo atrás dele para pisar nos seus tênis novos, risadas exageradas, tombos e finalmente, ambos jogados no meio da praça do suspiro, praticamente desacordados.

diego começou a vomitar todo o macarrão que ele tinha comido na janta e eu, deitado próximo a ele, o acompanhei no processo de regurgitar as últimas refeições. alguém foi comprar paçoca e tentaram empurrar o doce de amendoim sua goela abaixo, mas ele colocava o doce todo pra fora novamente. quando tentava levantar-se, ele deitava em cima do vômito, sem ter ciência da cara de nojo com que as pessoas estavam o olhando. perdão por estar narrando as desventuras do diego ao invés das minhas, mas é que não tenho qualquer lembrança das minhas atitudes nesse dia. dizem que eu tirei a camisa, a joguei no chão e comecei a pisar em cima, a seu madruga style. mas eu lembro perfeitamente que achei que ia morrer aquele dia (rs).

o que vou contar agora é um dos fatos mais vergonhosos da história da nossa amizade: vendo o estado em que eu e diego nos encontrávamos, filipe e gustavo não mudaram de idéia e foram para a festa, nos deixando jogados ali naquela praça, sem a mínima preocupação se ficaríamos bem. e, além disso, deixaram outro bebum sobre meus cuidados, o josué, que tava tão péssimo quanto a gente.

eu tinha consciência de que agora precisava melhorar. vomitei tudo que tinha pra vomitar até só sobrar aquele ácido amarelo do estômago e, me sentindo um pouquinho melhor, carreguei josué e diego pra baixo da casinha do teleférico. fazia um frio desgraçado e tive que aquecer os dois com meus braços, enquanto eles balbuciavam palavras indecifráveis e tinham vertigens. graças a deus ambos já haviam parado de vomitar, senão eu seria alvo fácil para a comida regurgitada. o tempo ia passando e, quando consegui finalmente ficar de pé, fui caçar um táxi pra nos levar pra casa. despachei josué na casa dele e tive que subir as escadas de casa carregando diego. como gratidão, ele ainda vomitou o banheiro da minha casa, deixando a marca da festa mais frustada da história nos azulejos. primeiro lugar.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

recesso (again!)


meu pc pestilento está sendo formatado pelo marcinho e, como já são conhecidas a eficiência e agilidade com que ele faz esses pequenos favores, ficarei alguns dias sem escrever posts aqui no blog.


triste, né? (rs)

ironia é a arma dos fracos. tsc.


take care, folks. =]

domingo, 5 de outubro de 2008

life's short. talk fast.

faz muito tempo que não faço um daqueles posts filosóficos expondo todos os meus pontos de vista, não é mesmo? mas esse aqui nem vai ser um desses. acho que aquela fórmula foi deixada um pouco de lado porque hoje em dia eu tenho meus amigos bem próximos e posso conversar com eles sobre tudo aquilo que me aflingia tanto. posso dizer que estou em paz comigo mesmo nesse momento. e isso é o mais importante.

domingo de ressaca depois de uma conta exorbitante de quase 100 reais no sob medida. quase literalmente, porque foram 99 reais (rs). quem acabou pagando o pato foi o bruno, coitado, que passou mal depois de tanto virar copos de cerveja. mas foi uma noite divertida à beça.

domingo de eleição também e preferi não tomar partido na batalha velhinho x deputado. preferi apoiar os partidos de esquerda que em muitos momentos são um tanto mais sensatos que os candidatos dos partidos grandes. podem me acusar de ser um jovem alienado, mas política não é comigo e ponto final.

aniversário do meu pai hoje também. feliz aniversário véio \o/
eu já tentei por algumas vezes escrever sobre a relação que tenho com meus pais, mas eu não consigo. tenho até um post inacabado aqui nos arquivos do blog. meu pai é uma pessoa linda, sabe, mas infelizmente há algo que me afasta muito dele e eu sinto "isso" crescer a cada dia. eu fui o abraçar hoje de manhã para lhe dar os parabéns e ele esticou a mão para apertar a minha. =/ mas deixemos esse assunto pr'um post mais apropriado.

e essa semana foi aniversário da carol também, o que faz dela homenageada da semana do meu blog. nós nem temos nos falado muito nos últimos meses graças aos ataques de perereco do meu computador, mas ela sabe o quanto aprecio sua pessoa. em certos momentos tivemos até mesmo uma relação pai-e-filha, não é mesmo, carol? (rs). e, pra comemorar essa amizade bacana que temos, estou postando aqui um videozinho que fizemos quando ela e tati vieram me visitar no começo desse ano. novas visitas estão por vir por aí, não é mesmo garotas?




é isso aí gente. life's short. talk fast. (by gilmore girls) até a próxima. =]

domingo, 28 de setembro de 2008

enquanto friburgo dormia.


houve uma inquetude quase doentia dentro do meu corpo durante o dia todo. meu estômago revirava-se deliberadamente como o choque de duas placas tectônicas, causando terremotos de ansiedade e expectativa. e a claridade pálida do dia deu espaço lentamente ao anoitecer gélido. na hora marcada eu estava sentado à esquina de uma rua intermediária, analisando superficialmente a sociedade alternativa que me rodeava. e eis que seu sorriso surge, com o poder de me cativar que já lhe é inerente. na rua fracamente iluminada, parece subitamente brilharem dezenas de refletores enquanto me levanto e começamos a dar passos sem sincronia rumo a lugar nenhum. o assunto flui incrivelmente bem, como se nos conhecêssemos há anos. de onde vem tal afinidade? como estar perto dele pode acalmar tão facilmente os involuntários tremores do meu estômago?
entramos numa lanchonete, mas como acontecera durante todo o dia, não consigo comer nada. mas a espera pelo lanche dele me proporciona uma ótima oportunidade de apreciar a luz que há em seu rosto. meu olhar se perde e, por vezes, se encontra com o dele. não parece haver problemas nisso e eu me pergunto se não estaria escrito nos meus olhos tudo que estava passando pela minha cabeça naquele momento. aos poucos eu acabo descobrindo o quão interessante pode ser uma conversa com ele. me supreendo e tenho uma grata supresa de saber que ele passa longe de ser uma pessoa ignorante ou superficial como o esteriótipo de lutador deixa subentendido. brincamos de filosofar por alguns minutos enquanto ele devora uma grande quantidade de comida pseudo-saudável e, em seguida, partimos para o bar.
os assuntos oscilam facilmente entre amadurecimento e infantilidades, entre pontos de vistas e críticas a pokemon e clássicos disney. algumas pessoas passam, param, deixam algumas palavras e seguem em frente. entre elas, sua ex-namorada. meu cérebro leva um choque e entro sem perceber num momento de reflexão apoaido na pouca quantidade de álcool que já havia em meu organismo. "o que você está olhando tão interessado lá?", ele pergunta. nada. eu não estava vendo nada. talvez apenas caindo finalmente em mim e finalmente percebendo que a vida não é um conto de fadas e que as coisas não se encaixam perfeitamente como num filme hollywoodiano. não há nenhuma força superior guiando nosso caminho pra que alcancemos finalmente a paz interior que tanto procuramos. mas foda-se, bebamos então e aproveitemos o que há para aproveitar. neste caso, três cervejas, porque logo em seguida fomos convidados a nos retirar do bar que estava prestes a fechar.
passava um pouco da uma da manhã. nos pusemos novamente a andar pela cidade adomercida, sob as luzes amarelas e melancólicas da praça. ele pergunta como irei embora e digo que pegarei um táxi. então ele propõe que gastemos a noite pra esperar o primeiro ônibus e eu aceito prontamente. me conforta saber que ele está apreciando minha companhia tanto quanto eu. quando não tínhamos o que falar, cantávamos, analisávamos criticamente as letras e ríamos. ou senão, ele tentava proferir golpes de tae kwon do nas minhas costas ou quebrar meu braço com um gople de jiu-jitsu. as horas foram passando lentamente, o frio aumentando. sentado num banco ao lado dele, meu corpo tremia dessa vez por motivos diferentes. já havia me conformado de que minhas expectativas eram errôneas. e na última caminhada por uma das ruas de trás, rumo ao ponto de ônibus, um silêncio confortante caiu sobre nós. não havia mais o que ser dito, não havia mais como sutilmente mandar sinais e meus olhos cansaram-se de ser mensageiros e se entregaram ao sono. ainda nos sentamos na beira da calçada por mais um momento antes de o ônibus vir. quando virei para trás, ele estava parado ali, me esperando subir. acenei. ele acenou de volta. era o fim de uma noite de sete horas que talvez ninguém saberá nunca o que significou pra mim.
tentei achar conforto no meu travesseiro, mas o sono que me perseguiu durante a noite parece ter desistido de mim. uma luz fraca já atravessava a cortina enquanto minha mente workaholic ainda funcionava mecanicamente. mais sofrimento estaria por vir? há mesmo alguma chance de ser feliz e de achar alguém nesse mundo? adormeci com essas dúvidas na cabeça.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

o depoimento perdido

no último domingo, depois do almoço, eu, filipe, gustavo e ágatha fomos à casa do diego dar uma força a ele, já que ele está passando por uma situação complicada e difícil. o domingo, de muitas formas, seria estranho porque todos estavam meio estranhos e nem uma boa cerveja no sob medida conseguiu resolver o problema. mas eu gostaria de sublinhar uma pequena conversa que aconteceu ainda no quarto dele:

estávamos conversando sobre o problema do diego, tentando dar uma força para ele, quando gustavo disse para mim:

- conta pra ele.

eu olhei para a cara do gustavo, sério, e retruquei:

- cara, essas coisas não são assim. não se fala essas coisas do nada.

e então o diego, atento à conversa, revelou:

- vocês acham que eu não sei?

e explicou que depois de ter visto esse humilde blog tinha ligado os pontos e percebido a verdade diante de tudo. tudo bem para mim até aí; ainda tentaram me fazer dizer com todas as letras, porque parece que eles apreciam ouvir a coisa ser dita em bom e alto som (rs), mas eu não o fiz. e então gustavo disse de repente para o diego:

- viu só? e quando eu e ágatha dissemos a vocês que estávamos suspeitando, vocês disseram que ele tava tentando aparecer com esse blog porque estava sozinho e todo mundo estava namorando.

okay, essa parte não foi muito legal.

o ano de 2008 tem sido um ótimo ano, cheio de novas experiências e novos horizontes. contudo, nos meses que antecederam o nascimento deste blog, eu vivi um período de introspecção que estava me machucando por dentro, em silêncio, sem que ninguém (além da bia, a única pessoa com quem eu conversava sobre o assunto na época) pudesse ver. eu senti pela primeira ver o que é ser uma pessoa infeliz e a perspectiva não foi das mais agradáveis. num domingo, daqueles cinzentos e depressivos, me coloquei na frente do meu pc e comecei a escrever aquilo que eu não tinha a quem falar. tinha medo de falar com meus amigos, talvez receiando uma recepção negativa e também pela distância que andava se alargando entre a gente. e foi graças a esse blog, acusado de ser uma ferramenta para aparecer, que o gustavo veio a mim, perguntou o que estava havendo e nos aproximamos mais do que nunca. esse blog foi o caminho para resgatar uma coisa que estava se perdendo aos poucos, lentamente.

então, me magoou um pouco saber que expressar meus pensamentos se tornou um jeito de aparecer. mas, diego, agora falando pra ti cara, você disse que nós estamos estranhos, diferentes. cara, o mundo não parou enquanto você esteve fora. pelo contrário, muita coisa aconteceu aqui. e pensar que você chegou ao ponto de pensar uma coisa dessas de mim me faz acreditar que você não só perdeu o nosso amadurecimento (que foi uma fase bem bacana, diga-se de passagem): acredito que você, aos poucos, também estava esquecendo as pessoas que éramos. porque eu sempre lidei muito bem com o fato de estar sozinho e se todos meus amigos estavam namorando e felizes, a minha atitude não seria tentar aparecer com um página na web. a minha atitude sempre foi ficar feliz por todos vocês, como eu disse a ti algumas muitas vezes.

o blog continua aqui. a fase tempestuosa passou, as pessoas que precisavam saber já sabem e, se o que eu queria era aparecer, já deveria ter deletado esse blog. mas eu não quero aparecer, não. eu quero poder expressar meus sentimentos da maneira que eu melhor o consigo: escrevendo. e foi assim que uma vez eu escrevi um depoimento pro diego. pra quem não sabe, já que eu falei muito pouco do diego durante esse tempo, nós somos amigos de infância, mas tivemos alguns problemas imbecis e infantis durante a adolescência e paramos de nos falar por mais de um ano. quando voltamos, a coisa sempre foi um pouco estranha. brigávamos em silêncio, sabe? parávamos de nos falar sem motivo, tinha dias que eu o ignorava sem motivos, coisas estúpidas demais que sempre tinham início por minha causa, porque eu era o temperamental da dupla. mas chegou um dia que prometemos um pro outro que não deixaríamos mais aquilo acontecer. e eu meio que selei esse pacto com um depoimento. eu lembro que escrevi esse depoimento chorando, porque significava um bocado para mim dizer aquelas palavras.

eis, na íntegra, o que o depoimento dizia:

Esse talvez seja o depoimento mais difícil que eu vou ter que fazer ateh hoje, porque eu nunca fui muito bom pra expressar minha amizade por você... Mas eu vou tentar... se sair meio sem sentido, depois me pergunte q eu explico-te, beleza?

Cara, eu te admiro... eu não sei se eu já disse isso alguma vez na minha vida, mas eu te admiro... você consegue ser o que eu não sou sabe? Você tem o jeito q eu nunca conseguiria ter... tu és compreensível pra caralho, calmo, tem uma inocência diferente e um jeito de ver o mundo próprio... você é companheiro pra cacete, tá sempre aí quando a gente precisa e isso é uma qualidade que eu admiro demais nas pessoas...

E eu me sinto a pessoa mais idiota do mundo por tudo que eu já fiz a você num passado não tão distante... me sinto um babaca, um verdadeiro otário por ter tratado mal uma pessoa que sempre me quis bem e q sempre foi meu amigo, não importa o q eu fazia ou o modo como eu agia... está aí mais uma qualidade sua: você perdoa as pessoas e não deixa coisas pequenas entrarem no caminho, sabe? mais uma coisa que torna você a pessoa linda q você é....

Então, antes de ser um depoimento ou uma confissão, isso aqui é um pedido de desculpas... por todas as coisas estúpidas que já fiz contra a nossa amizade.. e se não fosse você e seu jeito tão mais bonito de ser que o meu, acho que não teríamos suportado... você sustentou nossa amizade cara.. e eu te agradeço por isso... porque perder sua amizade de novo seria uma das coisa mais estúpida que eu teria feito na minha vida....

é isso... estou me sentindo bem de ter conseguido dizer tudo isso....

Eu te amo cara... e não mude seu jeito de ser nunca viu? Porque você é uma das pessoas mais bonitas q eu conheço.

esse depoimento não existe mais na sua página do orkut porque você o deletou. na verdade, olhando ele de novo hoje, vejo que tem coisas ali nas quais não acredito mais. talvez seja até conveniente ele não existir mais. mas há uma coisa na qual nunca deixei de acreditar: na nossa amizade. e eu te amo pra caramba, cara, não pense o contrário. e se esse post soou rancoroso, me desculpe. eu só queria que você soubesse como me sinto às vezes, quando suas atitudes aparentemente inofensivas, como deletar um grupo de palavras do seu orkut, podem magoar uma pessoa.

você é o homenageado da semana do meu blog, okay? posto merecidíssimo por todos os bons momentos que já passamos juntos e que ainda iremos passar durante nossa vida. e precisando de mim, você sabe onde eu estou, né? é só me procurar que eu estarei por perto.

abraços irmão.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

e a turma diz: ASSIM É QUE SE FAZ!

ontem eu fiquei até depois de uma da madrugada assistindo pela primeira vez meu dvd do los hermanos ao vivo na fundição progresso e me deu uma puta vontade de escrever um post sobre o que essa banda significa pra mim, principalmente por ter estado naquele exato show e ter sentido na pele o que é uma apresentação ao vivo dos caras.

minha prima isis sempre insistia deliberadamente pra que eu ouvisse los hermanos e, por algum motivo imbecil, eu resistia às suas sugestões. até que um dia eu aluguei o ventura por um fim de semana numa locadora de cd's aqui da cidade. sim, eu pirei no som. fiz minha copiazinha pirata e debulhei o cd, ouvindo à exaustão. dias depois eu comprei o 4 (havia gostado tanto do ventura que fui logo comprando o 4 original, sem medo algum) e, mesmo sendo um álbum mais complicado, soou perfeito aos meus ouvidos desde à primeira audição. acabei ganhando o ao vivo no cine-íris de presente de aniversário dos meus melhores amigos e completei a coleção comprando o bloco e o los hermanos algum tempo depois.

a verdade é que não ligo de gastar minha grana com os álbuns/dvd's da banda porque o los hermanos é uma das bandas que eu amo sinceramente e me identifico pra caramba. a beleza das melodias e a poesia das letras, a falta de preocupação com a mídia e a crítica e a coragem de fazer o que eles querem fazer tornam o los hermanos uma banda como há muito tempo o brasil não via. e ontem, com esse dvd, eu pude sentir por uma vez mais a magia que envolve a música dos hermanos.

o dvd é um registro simples: a iluminação é precária, o áudio não é lá essas coisas, não há cenário, a edição é quase inexistente... como espetáculo visual, o cine-íris é um tanto mais convidativo. mas esse dvd captou brilhantemente um dos fatos que mais diferem o los hermanos de outras bandas brasileiras: seus fãs. um hermaníaco não vai ao show só assistir. ele está lá pra participar, pra ser parte integrante do espetáculo. canta com amor todas as canções, chora, berra, dança, pula e pede pierrot incansavelmente. e ser parte dessa platéia pelo menos uma vez foi uma sensação maravilhosa que infelizmente não sei se poderei sentir novamente algum dia (sem querer ser pessimista >.<). a vibração que essa gente reunida consegue passar é coisa que não vai ser possível sentir através da tela da tv: só quem esteve lá no dia 9 de junho de 2007 pode entender. não é pra qualquer banda ter uma legião de fãs tão apaixonada e fanática quanto os barbudos conseguiram. fica aqui, singelamente, de uma hermaníaco devoto, a homenagem e a saudade da melhor banda que o brasil viu em muito tempo.